quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Os Efeitos do Álcool e do Fumo

Os Efeitos do Álcool

Segundo as definições médicas, o álcool é uma droga intoxicante, hipnótica, analgésica, narcótica, venenosa e viciosa.

  • é intoxicante porque seu consumo produz embriaguez.
  • é hipnótica porque causa sono.
  • é analgésica porque com certa dose elimina a dor.
  • é anestésica porque em doses altas induz a um sono tão profundo que a pessoa pode passar por uma cirurgia sem sentir dor alguma.
  • é narcótica porque pode deixar a pessoa apalermada, abobalhada.
  • é depressiva porque diminui a velocidade de ação do sistema nervoso central e várias funções do corpo.
  • é um veneno porque pode matar.
  • é viciosa porque com o uso contínuo se cria uma “dependência” difícil de vencer.

Em termos de comportamento, o álcool tem trazido muitos problemas, por exemplo:

  • Delinqüência Juvenil - em sua maioria está ligada diretamente com as bebidas alcoólicas.
  • Divórcio - muitos divórcios são resultados diretos ou indiretos do álcool.
  • Crimes - dos delitos, em todos os níveis, que são noticiados, 50% por cento estão relacionados com a bebida alcoólica.
  • Perda Econômica - esta deve girar em torno de 10 milhões de dólares anuais.
  • Acidentes - o número de acidentes causados pelo abuso do álcool, principalmente nas estradas, é muito alto.

A principal característica do álcool é que ele engana as pessoas. Ela pensa que age em seu favor quando na verdade é ao contrário. Quando ingere, se imagina forte, no fundo está debilitada; pensa que seu corpo está quente, e na verdade está frio; acredita obter energia, e na realidade sua coordenação, nutrição e força diminuem lentamente; pensa que estimula, embora esteja deprimindo todo o sistema nervoso.

O álcool produz uma doença chamada como cirrose do fígado (hepática), onde destrói boa parte dele. A cirrose é progressiva e em geral termina em morte - a não ser que se pare de beber a tempo.

O álcool diminui a resistência às doenças, além de encurtar a vida. Beber atrapalha a capacidade do corpo de assimilar uma nutrição apropriada, podendo provocar as seguintes doenças: beribéri - destrói os nervos que controlam as extremidades, braços e pernas, além de debilitar o coração; e a pelagra, com dor de língua, tornozelos, pescoço, abdômen, e diarréia.

Além desses problemas, acontecem sérias mudanças nas funções mentais, levando muitas pessoas à clínicas psiquiátricas. Para o próprio bem e dos familiares e amigos, o melhor é não beber.

Os Efeitos do Fumo

O Departamento de Saúde do governo americano realizou uma pesquisa com jovens entre 12 e 19 anos de idade, perguntando sobre os motivos por que fumavam. As respostas mais comuns foram:

  • “Me faz parecer grande”
  • “Me faz sentir importante”
  • “Tive curiosidade”
  • “Me sentia tenso e nervoso”
  • “Minha turma fuma”

O que muitos não sabem é que o cigarro é uma droga poderosa que pode viciar num prazo de um a três meses. A nicotina provoca mais dependência física que a cocaína e a heroína. Sabendo que a nicotina é o que causa dependência, as indústrias de cigarros produzem, em laboratório, cigarros mais potentes, com o objetivo de aumentar a dependência dos fumantes. Estes cigarros mais potentes chamados de Y-1, tem em sua composição 6,2% de nicotina, enquanto que o cigarro normal possui de 1 a 3%.

Em questões de segundos, as moléculas de nicotina são injetadas pelos pulmões na corrente sangüínea e atingem o cérebro. Lá se juntam com as células nervosas que lançam no organismo sinais químicos de desconforto quando há ausência da nicotina.

Nos países desenvolvidos, de cada fumante na faixa dos 20 anos:

  • 4 morrerão assassinados.
  • 12 morrerão em acidentes automobilísticos.
  • 250 morrerão entre 35 e 69 anos, por doenças relacionadas ao fumo.
  • 250 morrerão, depois dos 70 anos, por doenças relacionadas ao fumo.
Fumar não é bom em época alguma da vida, mas quem começa cedo tem:
  • Maior desvantagem em termos de produtividade profissional.
  • Maior redução do tempo de vida.
  • Maiores danos sobre a mente e o físico por ainda estar em fase de desenvolvimento.
  • Mais possibilidade de se tornar um grande consumidor de cigarro/dia. As pesquisas mostram que os danos à saúde são proporcionais ao consumo diário.
Vamos lembrar uma coisa a qual considero muito séria: “será que vocês não sabem que o corpo de vocês é o templo do Espírito Santo, que vive em vocês e lhes foi dado por Deus? Vocês não pertencem a vocês mesmos, mas a Deus, pois Ele os comprou e pagou o preço. Portanto usem o seu corpo para a glória dEle.” I Coríntios 6:19-20

Paulo Ramos
Coordenador do ARCRON


Referências Bibliográficas:
1. Torres, Vance. Álcool, amigo traiçoeiro. Revista Mocidade. Tatuí-SP. CPB - Outubro de 1990, pp.10-11 [artigo].
2. Lemos, Francisco. Fazendo Fumaça. Revista Superamigo. Tatuí-SP. CPB - Abril de 1995. pp. 6-7 [artigo].

Nenhum comentário: